Ocorreu um erro neste gadget

segunda-feira, 29 de abril de 2013

CORDEL- O POETA E O PASSARINHO




1-O poeta acorda pela madrugada
Fica pra o tempo observando
Ouvindo o cantar da passarada
Feliz ele fica meditando.
Com o tempo vem a inspiração
Ele sente no seu coração
O sentimento e mais nada.

2-Ele viaja até o passado
Às vezes o cigarro fumando
Em uma varanda assentado
Um cafezinho feliz tomando.
Pega uma caneta e papel
Espera do precioso céu
Tudo que vem lhe inspirando.

3-Sempre alguns passarinhos
Somente querendo entender
O que aquele poeta sozinho
Está sempre a escrever.
Ele sozinho ao amanhecer
Inspiração recebendo
E o poeta com tanto prazer.

4-Ao amanhecer um belo dia
Outro pássaro começa a cantar
O poete bem concentrado
Fica somente a imaginar.
Se ele pudesse entender
Que o pássaro ali a dizer
Iria ao seu verso postar.

5-Mais o poeta não entende
O cantar de cada passarinho
Fica apenas apreciar.
O cantar daquele bichinho.
Que fica no ninho chocando
Seu ovo ali desejando
Nascer mais um filhinho.


6-O pássaro tem uma sabedoria
De seu ninho sozinho fazer
Junta alguns galhos seco
Que possa lhe satisfazer.
Seu local vai montando
Como ele desejando
E concluir com prazer.

7-A fêmea também ajuda
Um local confortável pra ela
Feito de capim seco ou galhos
Numa paisagem linda e bela.
O macho fica perto voando
Sempre observando
Sua linda donzela.

8-O poeta não suporta
Uma sena assim apreciar
O casal de passarinho
Feliz no ninho a esperar.
Ao nascer cada filhote
A mãe da um pinote
E começa feliz cantar.

9-O pai ao ver o filhote
Faz um barulho danado
Voando sobre o ninho
Cantando pra todo lado.
O poeta aquilo escutar
Vai logo despertar
E ficar bem inspirado.

10-O poeta agradece a Deus
Pelas inspirações atuais
Sempre tem um belo tema
Mais nunca serão iguais.
Escrevo com honra e amor
Ao pássaro o beija flor
Sou Armando Morais.

João pessoa-29 de Abril de 2013

Armando Morais



quinta-feira, 25 de abril de 2013

CORDEL- CHUVA CHEGA NO SERTÃO PARAIBANO




1-Peço a Deus consentimento
E que ele possa me inspirar
Pra falar do meu nordeste
Que começou a melhorar.
A chuva está chegando
A terra vem molhando
Para o povo plantar.

2-Obrigado oh Deus poderoso
Por sua honrosa compreensão
Ao ver o gado morrendo
De fome aqui no sertão.
O pasto no chão torrado
O milho todo queimado
Na quentura do torrão.

3-Quantos pobres criadores
Não tinha mais o que fazer
Vendo o pasto seco
E o gado sem nada comer.
Sem capim, água e ração
O criador sem solução
Foi obrigado tudo vender.

4-Mais ao longo da seca
Muita lagrima caíram
Dos olhos do sertanejo
E os políticos não viram.
Só faziam comentar
Mais nada de ajudar
E do nordeste sumiram.

5-Mais graças ao nosso Deus
Que teve do nordeste compaixão
Mandou chuva na hora certa
Molhando todo sertão.
Sertanejo feliz agradece
Pó cada lavoura que cresce
Para ganhar sua alimentação.

6-Eles já estão preparando
O terreno para plantar
A chuva tão esperada
Para a terra molhar.
Vão mulher e menino
O roçado é o destino
Para o pai ajudar.

7-Já onde existe açude
O volume de água aumentou
Outro que estava já seco
Encheu tanto que sangrou.
Sertanejo feliz chora
E diz:- essa é a hora
Que Deus nos escutou.

8-Os peixes que não tinha mais
Porque água não existia
Acabou-se a felicidade
Encerrou-se a pescaria.
Pescador voltou a pescar
Peixe na rede veio pegar
Que a tempo não caia.

9-Os peixes todos voltaram
Comutam tilapia desovando
O pai feliz nas águas
Peixe da rede retirando.
O filho todo animado
Faz um fogo ao lado
E fica o peixe assando.

10-O menino chama sua mãe
E vai o peixe pra ela mostrar
Uma tilapia de quase dois quilos
Que mandou sua mãe limpar.
Ela volta pra casa correndo
Ao nosso Deus agradecendo
Por ter peixe pra almoçar.

11-Essa é nossa realidade
Aqui nos dias atuais
Como chegou a chuva
Peixes daqui são naturais.
Sou aprendiz de poeta
Escrevo em linha reta
Sou Armando Morais.


João Pessoa- 25 de Abril de 2013


Armando Morais









terça-feira, 16 de abril de 2013

CORDEL-O PASSARINHO E A NATUREZA



1-
1-Queria ser um passarinho
Se livre pra poder voar
Mais que tivesse liberdade.
E não em prisão ficar.
Viver junto a natureza
Festejar tanta beleza
Que ele tem pra nos dar.

2-Queria ser um passarinho
Mais não viver em prisão
Cantar livre nas matas
Cada um a sua canção.
Como canta o sabiá
Ao ver a chuva chegar
Ao molhar nosso chão.

3-Vamos deixar o passarinho
Voar sempre e livre viver
Reproduzir na floresta
E progredir com prazer.
Vamos o pássaro preservar.
Pra nas matas triplicar
E na natureza crescer.

4-Que Deus faça justiça
E a natureza também
Protegendo nossas árvores
E a inocência que ela tem.
Voarem em liberdade
Sem ver a maldade
Que vem de alguém.

5-O quanto a natureza faz
Da ao passarinho uma cor
Sem pincel, e sem tinta
Ele é pintado com amor.
Cada um sua cor diferente
Não é pintado pela gente
Essa o homem não ganhou.

6- Peço ao Deus poderoso
Que derrame sua proteção
Sobre nossos passarinhos
E a minha simples inspiração.
Que a natureza possa me inspirar
E os pássaros venham prosperar
Perante nossa população.

João pessoa- 16 de Abril de 2013

Armando Morais.









segunda-feira, 15 de abril de 2013

UM MALDITO SONHO






1-Por meio da inspiração
Ao dormir eu logo sonhei
Foi um horrível pesadelo
Ainda bem que acordei.
Venho aqui relatar
Em verso quero narrar
Tudo que eu passei.

2- Sonhei que no velório
Com minha família estava
Varias flores brancas
Alguém o corpo enfeitava.
Grinalda perto do caixão
Um padre fazendo oração
E a família toda chorava.

3-A ansiedade era grande
Fui ver quem tava deitado
Ao aproximar do caixão
Fiquei decepcionado.
Eu não quis acreditar
Mais acabei de avistar
Meu corpo sendo velado.

4-Naquele momento avistei
Uma velha com a foice na mão
Cercava com toda paciência
Próximo aquele caixão.
Uma velha feia e magrela
E ainda toda banguela
Com um saco de sapato na mão.

5-Ela não tinha dente
E nem língua pra falar
Coberta com um pano branco
E aquela foice pra me mostrar.
Um saco de sapatos ele botou
E pra mim logo mostrou, e pensei:
-ela vai em mim calçar.

6-Vários pares de sapatos
Em mim ela provou
Como calço 43
Esse numero não encontrou.
Ela ficou muito revoltada
E saiu indiguinada
E sua foice guardou.

7-Eu vendo aquilo tudo
Comecei por Deus chamar
Fui acordando do sonho
Depois de muito rezar.
Aos poucos fui acordando
Meu filho tava me chamando
- ta na hora de trabalhar.

8-Acordei todo assustado
O coração batendo forte
Disse a minha esposa
Que tinha sonhado com a morte.
Pra ela tudo, triste relatei
Confesso que muito chorei
E o sol nascia tão forte.

9-Escrevi esse cordel
Pra quem quiser acreditar
Recebi a inspiração
Pra poder aqui narrar.
Quem falar que ela não existe
Quero ver você triste
Se um dia ela lhe visitar.



10-Hoje busco muito a Deus
E clamo por ele em oração
Pra ele sempre me livrar
Dessa triste tentação.
Hoje tenho mais sorte
Não vi mais a morte
Deus me deu a libertação.

11-Termino aqui esse cordel
Tenho que a Deus agradecer
Foi ele quem deu a inspiração
Que escrevi com muito prazer.
nesse blog será publicado
Por esse poeta postado
Dedicado para você.

João pessoa, 15 de Abril de 2013

Armando Morais