Ocorreu um erro neste gadget

sexta-feira, 31 de maio de 2013

CORDEL- LÁGRIMAS DE UM PALHAÇO




Em uma pequena cidade
Onde João sempre morou
Um rapaz bem conhecido
Um circo ele inventou.
Junto com comerciante
Seu projeto foi adiante
E o circo ele instalou.

Cada criança de rua
Ele logo convidava
Dava ali instruções
E o projeto mostrava.
Ele fazia palhaçada
Pra toda meninada
A droga o menino deixava.

Assim o circo foi crescendo
E a sociedade apoiando
Assim aquele palhaço
Criança da rua foi tirando.
Ensina com todo prazer
Cada criança aprender
E cada um vinha gostando.

Todos finais de semanas
A população já tinha pra onde ir
Ao circo do palhaço João
Que fazia aquele povo sorrir.
Cada um tinha a sua missão
Fazendo uma bela apresentação
E levava o povo aplaudir.


Esse circo ficou famoso
Por toda a grande região
O palhaço sempre feliz
Por sua realização.
Era o seu sonho antigo
Tirando cada mendigo
Pra aprender atração.

Com um ano de circo
Trinta crianças ele ensinou
Afastando das drogas
Que cada um se libertou.
Mostrando por onde começar
E na hora de se apresentar
Cada um com ali se apresentou.

As mães daqueles viciados
Não sabia como ao palhaço agradecer
Como fazer uma festa de surpresa
Que ele jamais vai esquecer.
Uma festa bem organizada
Por toda a mulherada
Sem o palhaço saber.

Todos os finais de semana
Cada vez mais vinha gente
O palhaço fazendo graça
E um mágico inteligente.
Com dez anos de idade
Descobriu na mocidade
O quanto era inteligente.

O outro fazia apresentação
Com dois cachorros adestrados
Uma criança dava a sua ordem
Eles ficam ali deitados.
O palhaço sempre observando
E o menino feliz se apresentado
E outros já preparados.

Outro grupo com corda
Uma peça apresentava
As mães felizes aplaudiam
Cada peça que avistava.
O circo sempre cheio
O palhaço sempre no meio
Feliz muito se emocionava.

Outro com três limões
Chamava do povo atenção
Fazendo seu trabalho
Satisfeito e com satisfação.
O povo feliz aplaudia
Pelo que assistia
Com emoção.

Então chegou o grande dia
E o palhaço sem esperar
Seria um dia importante
Aonde iriam se apresentar.
Criança que ele treinou
Mas uma peça preparou
Pra ao povo mostrar.

O palhaço sempre dava inicio
E não viu ninguém chegar
Nem criança e nem os pais
Ninguém aparecia por lar.
Duas horas ele esperando
Ficou triste pensando
Sentou-se e ficou a chorar.

O palhaço de cabeça baixa
Quase meia hora ficou
O povo só observando
Naquele momento entrou.
Uma banda chegou tocando
O prefeito acompanhando
E com o palhaço se abraçou.

O palhaço muito emocionado
Não esperava aquela surpresa
Um espetáculo tava marcado
Naquela noite com certeza.
O prefeito ao palhaço elogiou
Por cada criança que se ensinou
Libertando assim da tristeza.

O palhaço muito feliz
Mais não parava de chorar
As crianças abraçadas com ele
Juntos começaram a brincar.
O prefeito ficou assistindo
E terminou também sorrindo
E disse:- Irei ao circo patrocinar.


Então se formaram um grande circo
E o palhaço seu trabalho continuou
E sempre conversando as crianças
Que no caminho das drogas entrou.
Ele vinha a cada bairro
Passando no seu carro
E cada criança ele ajudou.

Esse é um exemplo de vida
Que um político poderia planejar
Fazer um grande projeto
Para assembléia votar.
Quantas crianças na rua
Outra até mesmo nua
E ninguém quer ajudar.

João pessoa,31 de Maio de 2013




terça-feira, 21 de maio de 2013

O CORDEL NA SALA DE AULA




Peço a Deus inspiração
E também a nossa senhora
Que me envie sabedoria
Nesse dia e nessa hora.
Pra minha mente iluminar
E aqui poder narrar
O cordel na escola.

O cordel está acabando
E precisamos resgatar
Trazer pra sala de aula
E pra cada aluno mostrar.
Nossa leitura divina
E também nordestina
E não pode acabar.

Aos grandes educadores
Que estão na sala ensinando
Vamos resgatar o cordel
Que na escola está acabando
Preciso ao aluno incentivar
A ler uma leitura popular
E vamos assim resgatando.

O aluno que não sabe ler
Basta o cordel se dedicar
Comece fazendo a rima
E sua mente vai clarear.
Leia bem com calma
Que vai refletir sua alma
Basta apenas se esforçar.

O cordel em nossa escola
Hoje quase não existe mais
Vamos resgatar a cultura
Trazer pra os dias atuais.
Mostrar como o poeta
Escreve em linha reta
Seus trabalhos manuais.

Se uma criança na escola
O professor ali começar
A importância do cordel
E cada sala divulgar.
O cordel de verdade
Mostrando sua realidade
E precisamos resgatar.

O estudante desde criança
O cordel não é sua meta
Basta apenas sala de aula
Aprender rima e métrica.
Com ensino do professor
Ensinando com amor
Teremos um futuro poeta.

Não importa qual idade
Pra o cordel aprender
Basta apenas interesse
E um pouco entender.
Um poeta vem de berço
Começa escrevendo texto
E confiante compreender.

Por isso escrevo esse texto
Pra cada educador avaliar
Vamos resgatar a cultura
Nossa leitura popular.
Precisamos mostra na escola
Ao senhor e a senhora
E o cordel divulgar.

O cordel é uma boa leitura
Que pode ser verdade ou ficção
O poeta escreve com prazer
Usando sua grande inspiração.
Um texto assim desenvolve
Esse trabalho nunca morre
Mostrando a população.

O cordel mais conhecido
Aqui em nossa cultura
É um papel jornal
Sua capa é de gravura.
Hoje é mais desenhado
E ainda bem pintado
Com sua escultura.


João pessoa, 21 de Maio de 2013



domingo, 12 de maio de 2013

CORDEL-MOTE EM DEZ-NO JARDIM DA VIRGEM MARIA, EU VIA MAMÃE REZANDO.




Foi apenas uma elevação
Quando eu estava deitado
Com sono e muito cansado
De mamãe logo me lembrei
Não sei se ali eu sonhei
Ou era apenas imaginação
Senti pulsar meu coração
Uma mão sobre mim passando.
NO JARDIM DA VIRGEM MARIA
EU VIA MAMÃE REZANDO.

Mais pra ser bem sincero
Em um jardim me encontrava
Mamãe não me avistava
Estava com os anjos rezando
A virgem Maria ali escutando
Mamãe feliz a rezar
Os anjos a escutar
E Maria lhe elogiando.
NO JARDIM DA VIRGEM MARIA
EU VIA MAMÃE REZANDO.

A virgem Maria me avistou
Mandou minha mãe me abraçar
Felizes começaram muito a chorar
Ela dizia:- Meu filho querido
Nunca serás por mim esquecido
Eu estarei por todos a rezar
A virgem Maria vem me conformar
E do seu jardim vivo cuidando.
NO JARDIM DA VIRGEM MARIA
EU VIA MAMÃE REZANDO.


Mais nessa grande elevação
O dia já vinha amanhecendo
Uma nuvem estava vendo
Saindo pela minha janela
Chorei e lembrei logo dela
E vi que ela estava conformada
Minha esposa estava acordada
E fui pra ela logo falando.
NO JARDIM DA VIRGEM MARIA
EU VIA MAMÃE REZANDO.


João pessoa- 12 de Maio de 2013





CORDEL - PARABÉNS MAMÃES








Peço a Deus nesse momento
Que ele possa me inspirar
Pra escrever esse trabalho
E ao publico divulgar.
De uma pessoa tão querida
Que jamais será esquecida
Que a luz tem que dar.

Hoje 12 do mês de maio
Dias das mães é comemorado
Receba meus votos mamães
Que Deus esteja ao seu lado.
Saúde, paz e felicidade
Amor e prosperidade
Por cada filho gerado.

Quem ainda tiver sua mãe
Procure por ela zelar
Mãe só existe apenas uma
Outra não se pode encontrar.
Aquela que no ventre lhe gerou
E em seus seios você mamou
Faça por onde dela cuidar.

Mãe é um diamante que não tem preço
Só sabe o valor que ela tem, quem já perdeu
Hoje sinto na pele a dor que passei um dia
Quando ao tumulo minha mãe desceu.
Um diamante que sempre vai brilhar
E no céu com Deus vai estar
Que por cada filho um dia sofreu.

Se você não cuida de sua mãe
Procure a ela dar amor
Hoje é o dia das mães
Der nem que seja uma flor.
Se você não tiver condição
O que vale é o seu coração
Que será o maior valor.

Aquele que não tem mais mãe
Sabe a dor que ele já passou
Se não deram valor a essa jóia
Quantas vezes ele já lembrou.
Por não está com ela
E sempre ausente dela
E quanto ela chorou.

Termino essa simples homenagem
Minha mãe não tenho mais
Aconselho a todos os filhos
Cuide mais de seus pais.
Procure cuidar com carinho
Encontre sempre um tempinho
E não abandone jamais.


João pessoa-12 de março de 2013

domingo, 5 de maio de 2013

CORDEL DA DENGUE





1-Peço a Deus entendimento
Quando inspiração eu sinto
Pra narrar esse cordel
Desse inseto esquisito.
Mostrar a realidade
E também sua maldade
Desse pequeno mosquito.

2-Amigos preste atenção
A chuva já está caindo
E junto com essa água
A dengue vem surgindo.
Vamos se preservar
Água parada não deixar
E lavas vão progredindo.

3-Feixe bem sua caixa d’água,
Seu quintal seja observado
Seja qualquer objeto velho
Jogue fora ou deixe furado.
Faça isso em seu quintal
Não permita esse mal
Sua família será picado.

4-Se encontrar água parada
Seja em qualquer objeto
Margarina vazia ou sardinha
Que você jogou fora o resto.
Observe bem direitinho
Que naquele cantinho
O mosquito está bem esperto.

5-Se você não fizer assim
Ta correndo um risco danado
Converse com seu visinho
Que mora bem ao seu lado.
Pra prestar atenção
Fazendo a preservação
Pra eliminar esse malvado.


6-Se a patroa gosta de planta
É bom com cuidado observar
Quem possui seu jardim
Com jeito var olhar.
Se tiver planta em janela
Verifique sobre ela
Se a dengue lar está.

7-A dengue é um inseto pequeno
Tem seu corpo todo pintado
Sua perna meio branquinha
O inseto é um condenado.
Se você com ele vacilar
E se no vacilo te picar
Vai ficar logo acamado.

8-Se sentir sintomas estranho
Febre alta e mal está
Não tome qualquer remédio
Var logo um hospital procurar.
Evite tomar dipirona
Saia logo da cama
Pra o medico avaliar.


9-Mais tenho uma receita
Que assisti na televisão
Pra combater a dengue
Faça essa prevenção.
Bote cravo da índia
E depois ainda
Um litro de água então.


10-Bote tudo no liquidificador
O cravo uma grande porção
Depois ligue o motor
Na peneira faça a coação.
Guarde o suco bem tampado
Ele vai ficar bem apurado
E faça sua aplicação.

11-Guarde em sua geladeira
Para maior durabilidade
Essa deliciosa formula
E não perde a validade.
Por muitos meses ele fica
E assim a dengue não te pica
Pode confiar de verdade.


12-Onde tiver recipiente
Com pouca água empossada
Bote alguma gota desse suco
Que a dengue fica imobilizada.
Aquela lava vai morrer
E pra você bem ver
Não cria mais nada

13- Agradeço a todos os amigos
Que nesse cordel poder confiar
Leia com muita atenção
Que a dengue está em todo lugar.
Você hoje pode ser uma vitima
Se brincar a dengue lhe pica
E ela pode lhe matar.

14-Agradeço ao meu Deus
Por ter me dado a inspiração
Pra mostrar aos amigos
Essa real situação.
Se não quiser acreditar
Não precisa evitar
E nem faça prevenção.


15-Essa é uma pequena dica
De dengue nunca mais
Pode fazer essa formula
Que ela não volta jamais.
Escrevi aqui esse verso
A todos eu confesso
Sou Armando Morais.


João Pessoa-05 de Maio de 2013-05-05
Armando Morais





segunda-feira, 29 de abril de 2013

CORDEL- O POETA E O PASSARINHO




1-O poeta acorda pela madrugada
Fica pra o tempo observando
Ouvindo o cantar da passarada
Feliz ele fica meditando.
Com o tempo vem a inspiração
Ele sente no seu coração
O sentimento e mais nada.

2-Ele viaja até o passado
Às vezes o cigarro fumando
Em uma varanda assentado
Um cafezinho feliz tomando.
Pega uma caneta e papel
Espera do precioso céu
Tudo que vem lhe inspirando.

3-Sempre alguns passarinhos
Somente querendo entender
O que aquele poeta sozinho
Está sempre a escrever.
Ele sozinho ao amanhecer
Inspiração recebendo
E o poeta com tanto prazer.

4-Ao amanhecer um belo dia
Outro pássaro começa a cantar
O poete bem concentrado
Fica somente a imaginar.
Se ele pudesse entender
Que o pássaro ali a dizer
Iria ao seu verso postar.

5-Mais o poeta não entende
O cantar de cada passarinho
Fica apenas apreciar.
O cantar daquele bichinho.
Que fica no ninho chocando
Seu ovo ali desejando
Nascer mais um filhinho.


6-O pássaro tem uma sabedoria
De seu ninho sozinho fazer
Junta alguns galhos seco
Que possa lhe satisfazer.
Seu local vai montando
Como ele desejando
E concluir com prazer.

7-A fêmea também ajuda
Um local confortável pra ela
Feito de capim seco ou galhos
Numa paisagem linda e bela.
O macho fica perto voando
Sempre observando
Sua linda donzela.

8-O poeta não suporta
Uma sena assim apreciar
O casal de passarinho
Feliz no ninho a esperar.
Ao nascer cada filhote
A mãe da um pinote
E começa feliz cantar.

9-O pai ao ver o filhote
Faz um barulho danado
Voando sobre o ninho
Cantando pra todo lado.
O poeta aquilo escutar
Vai logo despertar
E ficar bem inspirado.

10-O poeta agradece a Deus
Pelas inspirações atuais
Sempre tem um belo tema
Mais nunca serão iguais.
Escrevo com honra e amor
Ao pássaro o beija flor
Sou Armando Morais.

João pessoa-29 de Abril de 2013

Armando Morais



quinta-feira, 25 de abril de 2013

CORDEL- CHUVA CHEGA NO SERTÃO PARAIBANO




1-Peço a Deus consentimento
E que ele possa me inspirar
Pra falar do meu nordeste
Que começou a melhorar.
A chuva está chegando
A terra vem molhando
Para o povo plantar.

2-Obrigado oh Deus poderoso
Por sua honrosa compreensão
Ao ver o gado morrendo
De fome aqui no sertão.
O pasto no chão torrado
O milho todo queimado
Na quentura do torrão.

3-Quantos pobres criadores
Não tinha mais o que fazer
Vendo o pasto seco
E o gado sem nada comer.
Sem capim, água e ração
O criador sem solução
Foi obrigado tudo vender.

4-Mais ao longo da seca
Muita lagrima caíram
Dos olhos do sertanejo
E os políticos não viram.
Só faziam comentar
Mais nada de ajudar
E do nordeste sumiram.

5-Mais graças ao nosso Deus
Que teve do nordeste compaixão
Mandou chuva na hora certa
Molhando todo sertão.
Sertanejo feliz agradece
Pó cada lavoura que cresce
Para ganhar sua alimentação.

6-Eles já estão preparando
O terreno para plantar
A chuva tão esperada
Para a terra molhar.
Vão mulher e menino
O roçado é o destino
Para o pai ajudar.

7-Já onde existe açude
O volume de água aumentou
Outro que estava já seco
Encheu tanto que sangrou.
Sertanejo feliz chora
E diz:- essa é a hora
Que Deus nos escutou.

8-Os peixes que não tinha mais
Porque água não existia
Acabou-se a felicidade
Encerrou-se a pescaria.
Pescador voltou a pescar
Peixe na rede veio pegar
Que a tempo não caia.

9-Os peixes todos voltaram
Comutam tilapia desovando
O pai feliz nas águas
Peixe da rede retirando.
O filho todo animado
Faz um fogo ao lado
E fica o peixe assando.

10-O menino chama sua mãe
E vai o peixe pra ela mostrar
Uma tilapia de quase dois quilos
Que mandou sua mãe limpar.
Ela volta pra casa correndo
Ao nosso Deus agradecendo
Por ter peixe pra almoçar.

11-Essa é nossa realidade
Aqui nos dias atuais
Como chegou a chuva
Peixes daqui são naturais.
Sou aprendiz de poeta
Escrevo em linha reta
Sou Armando Morais.


João Pessoa- 25 de Abril de 2013


Armando Morais









terça-feira, 16 de abril de 2013

CORDEL-O PASSARINHO E A NATUREZA



1-
1-Queria ser um passarinho
Se livre pra poder voar
Mais que tivesse liberdade.
E não em prisão ficar.
Viver junto a natureza
Festejar tanta beleza
Que ele tem pra nos dar.

2-Queria ser um passarinho
Mais não viver em prisão
Cantar livre nas matas
Cada um a sua canção.
Como canta o sabiá
Ao ver a chuva chegar
Ao molhar nosso chão.

3-Vamos deixar o passarinho
Voar sempre e livre viver
Reproduzir na floresta
E progredir com prazer.
Vamos o pássaro preservar.
Pra nas matas triplicar
E na natureza crescer.

4-Que Deus faça justiça
E a natureza também
Protegendo nossas árvores
E a inocência que ela tem.
Voarem em liberdade
Sem ver a maldade
Que vem de alguém.

5-O quanto a natureza faz
Da ao passarinho uma cor
Sem pincel, e sem tinta
Ele é pintado com amor.
Cada um sua cor diferente
Não é pintado pela gente
Essa o homem não ganhou.

6- Peço ao Deus poderoso
Que derrame sua proteção
Sobre nossos passarinhos
E a minha simples inspiração.
Que a natureza possa me inspirar
E os pássaros venham prosperar
Perante nossa população.

João pessoa- 16 de Abril de 2013

Armando Morais.









segunda-feira, 15 de abril de 2013

UM MALDITO SONHO






1-Por meio da inspiração
Ao dormir eu logo sonhei
Foi um horrível pesadelo
Ainda bem que acordei.
Venho aqui relatar
Em verso quero narrar
Tudo que eu passei.

2- Sonhei que no velório
Com minha família estava
Varias flores brancas
Alguém o corpo enfeitava.
Grinalda perto do caixão
Um padre fazendo oração
E a família toda chorava.

3-A ansiedade era grande
Fui ver quem tava deitado
Ao aproximar do caixão
Fiquei decepcionado.
Eu não quis acreditar
Mais acabei de avistar
Meu corpo sendo velado.

4-Naquele momento avistei
Uma velha com a foice na mão
Cercava com toda paciência
Próximo aquele caixão.
Uma velha feia e magrela
E ainda toda banguela
Com um saco de sapato na mão.

5-Ela não tinha dente
E nem língua pra falar
Coberta com um pano branco
E aquela foice pra me mostrar.
Um saco de sapatos ele botou
E pra mim logo mostrou, e pensei:
-ela vai em mim calçar.

6-Vários pares de sapatos
Em mim ela provou
Como calço 43
Esse numero não encontrou.
Ela ficou muito revoltada
E saiu indiguinada
E sua foice guardou.

7-Eu vendo aquilo tudo
Comecei por Deus chamar
Fui acordando do sonho
Depois de muito rezar.
Aos poucos fui acordando
Meu filho tava me chamando
- ta na hora de trabalhar.

8-Acordei todo assustado
O coração batendo forte
Disse a minha esposa
Que tinha sonhado com a morte.
Pra ela tudo, triste relatei
Confesso que muito chorei
E o sol nascia tão forte.

9-Escrevi esse cordel
Pra quem quiser acreditar
Recebi a inspiração
Pra poder aqui narrar.
Quem falar que ela não existe
Quero ver você triste
Se um dia ela lhe visitar.



10-Hoje busco muito a Deus
E clamo por ele em oração
Pra ele sempre me livrar
Dessa triste tentação.
Hoje tenho mais sorte
Não vi mais a morte
Deus me deu a libertação.

11-Termino aqui esse cordel
Tenho que a Deus agradecer
Foi ele quem deu a inspiração
Que escrevi com muito prazer.
nesse blog será publicado
Por esse poeta postado
Dedicado para você.

João pessoa, 15 de Abril de 2013

Armando Morais